Quem somos 

capa.jpg

Criada nos anos 1950 por iniciativa de um grupo de pessoas vinculadas ao grupo espírita Sayão, sob a liderança do Dr. Roberto Mercatelli, o então Sanatório Sayão iniciou atendimentos às pessoas necessitadas de toda a região. Em 1969, a clínica passou por um período de grande ascensão  com 750 leitos voltados à caridade, configurando-se  como um dos grandes hospitais filantrópicos do Brasil.

Na esteira da expansão de suas atividades na área da benemerência, assistimos à ampliação dos objetivos da clínica que, além daqueles específicos do segmento da saúde, passou a atuar também na esfera dos serviços sociais. Assim, o "Lar Ismael", instituição filantrópica ararense de amparo a menores carentes, fundada e mantida até então pela Maçonaria, por acordo entre as entidades, passou a ser gerido pela Clínica Sayão que também criou internamente o Centro de Reabilitação e de Assistência a Menores.

Em 1992, o sr. Ismael Biaggio, após o falecimento do sr. Arceu Scanavini, então diretor do Sanatório Sayão, veio a assumir a Instituição, sendo também responsável por participar das grandes mudanças ocorridas na Instituição. Neste período o hospital contava com 1050 pacientes, egresso de outros hospitais que foram fechados, resultante de um pedido de acolhimento dos internos por parte  da Secretaria de Estado da Saúde do Estado de São Paulo.

Os pacientes encaminhados pela Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, foram então reclassificados pela nova Classificação Internacional de doenças ( CID), permanecendo , até hoje, como pacientes moradores, financiados pela diária da psiquiatria.

Durante esse período, numa antecipação às exigências da Reforma psiquiátrica, foram criadas as residências terapêuticas e posteriormente o “Programa Desospitalização Gradativa”,   buscando dessa forma, incluir  processos mais modernos de ressocialização e integração social dos pacientes remanescentes.

Diante dos processos de modernização baseados nas propostas do Sistema Único de Saúde (SUS), com o intuito de restringir drasticamente as internações psiquiátricas, foram realizados os seguintes programas: Ambulatório de Saúde Mental, De volta para Casa, Residências terapêuticas (RT’s), Centros de Atenção Psicossocial ( CAPS). Para assumir de modo adequado tais programas, foram executadas inúmeras reformas , buscando ampliar as áreas de acolhimento e atendimento.

Em 1995, para romper com o estigma causado pelo termo sanatório, muito defasado diante das novas possibilidades de inclusão e tratamentos inovadores, a razão social foi alterada pera Clínica Antônio Luiz Sayão- Acompanhamento Psiquiátrico ( CASAP).

A partir dessa nova denominação, os pacientes passaram a ser acompanhados por uma equipe multidisciplinar composta por profissionais altamente capacitados, assim como novas edificações foram realizadas para dar corpo e atender às novas demandas.

As maiores transformações ocorreram após o ano de 2019, a partir da parceria entre a Clínica Sayão e a Faculdade São Leopoldo Mandic-Araras, tornando-a um dos hospitais-escola da Instituição. Agora, em 2020, diante das novas possibilidades de atendimento e acordos entre as mantenedoras da Clínica Sayão e do Faculdade São Leopoldo Mandic de Araras, surge o Hospital São Leopoldo Mandic, com um sólido projeto de ampliação dos atendimentos em diversas áreas da saúde, sendo coordenada e dirigida pela estrutura acadêmica, administrativa e gerencial da Faculdade São Leopoldo Mandic!

Com a mudança, todos os pacientes internados continuarão a receber o mesmo tratamento, sem alterações previstas, inclusive os casos mais delicados como os de pacientes neuropsiquiátricos. Além disso, o hospital continuará a atender o Sistema Único de Saúde (SUS) e, também, todos os convênios da medicina suplementar, além de ter possibilidade de atendimentos particulares em condições especiais para a população da região, mas com a ampliação de seus serviços na área de saúde.

“A partir de 2021, conduziremos um trabalho para que a clínica se transforme em hospital geral. Começaremos com a implantação da área de oftalmologia, em seguida com algumas intervenções dermatológicas e, em breve, a introdução de um centro cirúrgico, junto com os hospitais e Santas Casas da região de Araras”, afirma o presidente da instituição, Dr. José Luiz Cintra Junqueira.

A Faculdade São Leopoldo Mandic é considerada a terceira melhor faculdade de medicina do Brasil e está em primeiro lugar entre todas as IES da área de saúde. Agora com o Hospital, o objetivo é transformar a instituição em referência na região. A Faculdade SLMANDIC assumiu a administração da Clínica Sayão, em agosto de 2019.

“Nosso projeto começou quando aprovamos na associação, que é filantrópica, não visa lucro. Toda a lucratividade é destinada à manutenção dos pacientes carentes. Esse é o objetivo principal do hospital, além da inserção da faculdade de medicina para dentro deste hospital, como forma de colaboração acadêmica e institucional.  Esperamos contar com a parceria de todos os profissionais da área de saúde, como médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos, entre outros”, destaca o Dr. Junqueira.